Celular usado vale a pena? Veja dicas e cuidados antes de comprar

O Zoom te ensina a avaliar bem um smartphone usado e a descobrir se vale a pena comprar o aparelho.

Redação - ZoomEditor(a)

Publicado e atualizado 6 min. de leitura.

Nos últimos meses, os preços dos smartphones subiram consideravelmente no Brasil. E, em cenários como esse, muitos consumidores passam a considerar a compra de um celular usado, como forma de economizar. No entanto, nem sempre comprar um aparelho de segunda mão vale a pena – às vezes, alguns negócios fazem valer aquele famoso ditado de “comprar gato por lebre”.

O Zoom preparou uma série de dicas para te ajudar a saber em quais aspectos você deve ficar de olho ao comprar um celular usado. Descubra, em nosso guia de compras completo, o que avaliar na ficha técnica e quais testes é importante fazer antes de fechar negócio, para que o barato não saia caro.

Leia também: Os celulares com melhor custo-benefício em 2020

1. Design

Verifique se o celular usado está quebrado ou trincado

Celular com tela curva quebrada. (Imagem: megaflopp/Shutterstock)
Celular com tela curva quebrada. (Imagem: megaflopp/Shutterstock)

É sempre bom ficar atento a partes quebradas ou a algum tipo de rachadura no corpo do celular usado. Muitas pessoas são honestas e já deixam isso claro no anúncio, mas existem aqueles que acabam tentando omitir o problema para vender o aparelho. Se puder segurar o smartphone antes de comprá-lo, tire a capinha (caso ele tenha) e olhe todo o seu chassi, tanto na parte frontal quanto na traseira.

Não se esqueça de verificar bem as bordas do telefone, já que em eventuais quedas elas geralmente são as primeiras a sentir o impacto. Tire a gaveta de chip para verificar se ela está em boas condições. Também não se esqueça de avaliar a tela do aparelho, se ela está quebrada ou com alguma mancha (quando ligada).

Lembrando que estamos falando de partes trincadas ou quebradas, arranhões leves e quase invisíveis em seu corpo são normais, principalmente se o aparelho possui um bom tempo de uso.

2. Ano de lançamento

Fuja de celulares básicos muito antigos

Galaxy J7 Prime foi lançado no Brasil em 2016, mas a linha foi descontinuada em 2019. (fn.artworks/Shutterstock)
Galaxy J7 Prime foi lançado no Brasil em 2016, mas a linha foi descontinuada em 2019. (fn.artworks/Shutterstock)

Nem sempre é um problema você comprar um aparelho que foi lançado no último ano ou até antes, mas é importante ficar de olho no quanto a data de lançamento impacta na ficha técnica do smartphone.

Um celular lançado em 2017 que, na época era considerado avançado, provavelmente ainda vai oferecer um desempenho de um aparelho intermediário atualmente, mesmo sem ter alguns recursos que hoje são comuns. No entanto, esse mesmo raciocínio acaba não se aplicando aos celulares básicos e intermediários daquela época, por exemplo. Eles hoje já estarão defasados e com problemas para rodar vários aplicativos, que foram se adequando aos sistemas e hardwares mais recentes.

Além disso, os celulares mais antigos tendem a ficar sem suporte a novas versões dos sistemas operacionais, seja Android ou iOS.

3. Bateria

Verifique o desgaste desse componente

Um dos pontos mais importantes na hora de se avaliar um celular usado é avaliar a saúde da sua bateria. Mesmo que o vendedor tenha cuidado bem do aparelho, é natural que, com o tempo, a bateria vá piorando. Seu estado de saúde é baseado em quantos ciclos já foram executados, pois são eles que determinam a vida útil da bateria, então é importante você saber qual o estado dela antes de comprar o celular.

iOS tem recurso nativo para verificar a saúde da bateria do iPhone. (Imagem: Reprodução/Apple)
iOS tem recurso nativo para verificar a saúde da bateria do iPhone. (Imagem: Reprodução/Apple)

No caso dos iPhones, o próprio sistema já possui uma opção para te mostrar como está a saúde da bateria e quantos ciclos ela já executou. Para fazer isso basta seguir o seguinte caminho: configurações > bateria > saúde da bateria. Já no Android você pode usar o aplicativo AccuBattery, que é gratuito e dá várias informações importantes sobre a saúde da bateria do aparelho.

4. Sistema operacional

Celulares usados muito antigos podem não suportar as versões mais recentes

As atualizações de sistema operacional servem para corrigir problemas e adicionar novas funções ao celular. Por isso, é importante ter versões mais recentes ou que estejam próximas. Ao avaliar um aparelho usado, pesquise sobre o sistema operacional que ele traz de fábrica, se já possui atualizações para versões mais recentes ou se pelo menos tem alguma notícia da fabricante dando uma previsão de quando atualizações vão chegar.

Celulares com versões muito antigas dos sistemas, e que não vão receber nem a atualizações de segurança (as mais básicas disponibilizadas pelas empresas), podem se tornar um problema com o passar do tempo, deixando os dados do usuário vulneráveis.

5. Testar portas e conexão

Verifique entradas e acessórios

Cabo Lightning do iPhone costuma ter uma vida útil bem curta. (Imagem: Wachiwit/Shutterstock)
Cabo Lightning do iPhone costuma ter uma vida útil bem curta. (Imagem: Wachiwit/Shutterstock)

Muitas pessoas têm problemas no pós-compra de celulares usados por não testarem as portas e conexões do aparelho. Ao adquirir um smartphone de segunda mão, verifique se a entrada para fones de ouvido está funcionando normalmente e confira a porta USB para carregamento.

Outro ponto importante é verificar as conexões sem fio. Ligue o Wi-Fi e tente buscar e se conectar a redes próximas para ver se está tudo funcionando bem. Faça um teste com a sua conexão Bluetooth, se possível enviando dados para outro aparelho, ou conectando o telefone a outros dispositivos sem fio, como fones e caixas de som.

Não se esqueça de conferir as redes móveis, se o acesso ao 3G ou 4G está funcionando sem nenhum problema.

6. Desempenho e memória

Fuja de celulares com 1 GB de RAM

Se você quer ter um bom desempenho no dia a dia, precisa ter um bom processador. Existem vários fatores que tornam um modelo bom ou não. Em celulares com Android, recomendamos que você escolha algum modelo que tenha chip octa-core, ou seja, que conte com oito núcleos de processamento, pois ele conseguirá ter uma performance melhor no uso de aplicativos navegação na internet e outras tarefas.

Também é importante verificar a arquitetura do processador, que está ligada ao tamanho dele, medido em nanômetros. Os modelos maiores tendem a gastar mais energia, por isso se possível, escolha celulares com processadores menores, com 12 nn ou número inferior. Esses modelos vão ajudar a entregar maior autonomia de bateria no uso cotidiano.

Para memória RAM, 4 GB é o suficiente para se ter um bom desempenho, livre de travamentos ou “engasgos” do celular ao abrir muitos aplicativos. Os aparelhos com 3 GB são indicados para um uso um pouco mais leve e, abaixo disso, já é um celular para o básico, como, por exemplo, para a instalação do WhatsApp e recebimento de e-mails.

Para finalizar, temos o espaço de armazenamento, que vai definir o quanto de fotos, vídeos, músicas e outros arquivos você poderá guardar no aparelho. Se você for um usuário pouco exigente, busque modelos com 32 GB. Caso faça o download de muitos apps e guarde muitas fotos e músicas, recomendamos, pelo menos, 64 GB de memória interna.

Se o celular não tiver todo esse espaço, verifique se ele aceita expansão via cartão de memória, assim você pode fazer “upgrade” por conta própria.

7. Câmera(s) e microfones

Teste tudo o que puder!

É importante que você verifique se as câmeras estão funcionando como deveriam. Faça fotos com diferentes recursos do celular e verifique se elas não saem com nenhum tipo de mancha ou algum tipo de deformação. Caso o aparelho tenha mais de uma câmera, alterne entre elas e confira se todas estão funcionando bem. Não se esqueça de fazer os mesmos testes na câmera de selfies.

Essa verificação também vale para os microfones, mas aqui é válido ressaltar que em grande parte dos celulares o microfone que faz a gravação de áudios não é o mesmo usado para ligações, por isso é importante você realizar diferentes testes, enviando alguns áudios e depois fazendo uma ligação. No segundo caso, por tabela, você também já vai verificar o alto-falante de chamadas do aparelho.

Celulares usados no Zoom

Você sabia que é possível encontrar smartphone usado no Zoom? Confira os melhores preços para alguns modelos disponíveis por aqui: