Nano Cell vs QLED: o que são e qual a melhor tecnologia de tela?

Melhores que OLED? Entenda as principais tecnologias da Samsung e LG para TVs

Nano Cell vs QLED: o que são e qual a melhor tecnologia de tela?
Ricardo BergherEditor(a)

Publicado e atualizado 3 min. de leitura.

A competição entre duas grandes marcas, Samsung e LG, no quesito tecnologia trouxe avanços bem interessantes nos últimos anos. Um deles foi o surgimento de diferentes tipos de telas das smart TVs, como a OLED, QLED e a Nano Cell. Mas o que essas tecnologias querem dizer, na prática?

QLED e NanoCell: como funcionam?

Antes de mais nada é preciso entender o surgimento dessas tecnologias no mercado. Tanto a Nano Cell quanto a QLED utilizam de nanocristais na tela que embora necessitem de iluminação traseira, podem ser ativados ou desativados individualmente.

Na prática, isso quer dizer que a tela pode controlar cada pixel isoladamente, criando uma profundidade maior de cores, sombras e luzes, contribuindo enormemente para imagens que se utilizam de HDR.

Mas não são só as imagens HDR que se beneficiam. Um problema sério com muitos televisores é a dificuldade para mostrar a cor negra de maneira fiel - muitas vezes a tela ilumina demais a área, transformando o negro profundo em um cinza escuro. Para corrigir, é necessário escurecer toda a tela. Com os nanocristais, o problema é reduzido drasticamente, evitando que a luz “vaze” para as áreas escuras.

QLED, da Samsung, são telas baratas mas que proporcionam ótimas imagens

Reprodução: Samsung
Reprodução: Samsung

Falando especificamente das smart TVs QLED, a Samsung chegou com a tecnologia antes da concorrência e veio aperfeiçoando as telas ao longo dos lançamentos. O nome, QLED, é uma referência aos quantum dots, ou pontos quânticos, que são justamente os cristais que podem ser iluminados individualmente.

É verdade que, em comparação com as telas OLED, as QLED não costumam ter o mesmo negro perfeito e 100% fiel. Em compensação, elas são bem mais baratas. Além disso, ao contrário das OLED, as QLED têm muito menos propensão a sofrer com o temido burn-in, que nada mais é que uma imagem que fica gravada na tela permaneça muito tempo sendo exibida sem movimentação.

A Samsung Q60 é um exemplo do QLED em ação. Com modelos que vão de 49’’ a 82’’,ela é uma boa alternativa entre os mais recentes lançamentos top de linha da marca, com preços bastante acessíveis, especialmente considerando que se trata de uma tela 4K com tecnologia QLED. O modelo ainda conta com o Modo Ambiente, que busca tornar a tela “invisível” enquanto não está sendo usada.

Tecnologia Nano Cell, da LG, traz tons escuros e negros mais fiéis

Reprodução: LG
Reprodução: LG

A resposta da LG é o Nanocell, que usa a mesma ideia da QLED, mas com algumas diferenças. A primeira delas é o tamanho de cada nanocristal, levemente menor que os pontos quânticos do QLED. A empresa também se dedicou a implementar o Full Array, que trabalha a luz na tela através de zonas em vez de faixas. Isso ajuda a evitar que a luz vaze para os pontos escuros, garantindo tons escuros e negros mais fiéis.

Um dos modelos da LG que traz a tecnologia é o SM9000. Em comparação com a Samsung Q60, há menos opções de tamanho de tela: são três, 55”, 65” e 86’’. Embora seja levemente mais cara que a concorrente, trata-se de um modelo ainda mais premium, com um sistema de áudio tão avançado quanto o de vídeo.

NanoCell vs QLED: afinal, qual é a melhor?

A verdade é que o QLED e o Nanocell são tecnologias extremamente parecidas, com resultados bastante similares.

As pequenas diferenças são discretas e, embora as smart TVs Nanocell tenham uma tecnologia mais recente, o custo de produção elevado se reflete no valor de venda, enquanto as QLED apresentam um custo-benefício bem mais interessante.

Leia também: