O que é RPG? Saiba tudo sobre o gênero nos games e fora deles

Os RPGs saíram das mesas para chegar aos videogames tão amados. Confira o que é RPG, a origem do gênero, os jogos mais famosos e mais.

Redação - Zoom

Publicado e atualizado 6 min. de leitura.

Compartilhe:

Quem gosta de videogames muito provavelmente já ouviu falar do termo RPG antes. Ou mais, é possível até que já tenha jogado um jogo do gênero RPG, sabendo ou não. Mas você sabe o que é RPG e qual a origem do termo?

Entender o que é RPG noO que é RPG mundo dos jogos começa pela sigla. RPG é “Role Playing Game”, o que significa “Jogo de Interpretação de Papéis”. Esse tipo de jogo não começou com os videogames eletrônicos e sim com a caneta e papel. Quer saber mais? Confira o que é RPG, desde a sua história até características principais e jogos famosos.

O que é RPG como gênero de videogames

Nos videogames, o RPG é usado para definir jogos que focam em uma imersão na história. Para gerar essa identificação com o protagonista e com a narrativa, os jogos de RPG incluem mecanismos de escolha. Pode ser através de várias opções em um diálogo, decisões que afetam o rumo e o final da história ou então na personalização.

Essas características em comum nos games de RPG não surgiram do nada. Elas foram herdadas dos RPGs tradicionais e originais, jogados em uma mesa com grupo de pessoas com fichas, lápis, dados e muita criatividade.

O gênero de videogames surgiu dos clássicos RPGs de mesa (Foto: Shutterstock/Firn)
O gênero de videogames surgiu dos clássicos RPGs de mesa (Foto: Shutterstock/Firn)

O que é RPG de mesa e como ele deu vida ao gêneros dos games

Os jogos de RPG tradicionais, também chamados hoje em dia de RPG de mesa, são jogos de interpretação e interação entre várias pessoas. No grupo de participantes, um assume a figura do mestre, responsável por criar e comandar a aventura. Os outros são os jogadores, que criam os personagens que vão interpretar.

As mesas de RPG são baseadas em sistemas que orientam a história e ajudam a definir classes, poderes, inimigos, combates e mais. Esse tipo de jogo surgiu nos anos 70 e até hoje é adorado e jogado por inúmeras pessoas. Se quiser saber mais, vale a leitura do artigo sobre o que é RPG de mesa e também sobre um elemento vital dele: os dados de RPG.

Os primeiros RPGs eletrônicos surgiram não muito depois dos seus precursores de mesa e foram inspirados em um dos sistemas mais famosos, febre na época: Dungeons & Dragons. Um dos primeiros videogames de RPG foi Akalabeth: World of Doom. Lançado em 1980, esse jogo originou a série de Ultima, uma das mais longas e amadas do gênero.

Com a febre dos RPGs "analógicos" e o interesse pelos jogos eletrônicos de RPG, mais videogames do gênero surgiram. Eles seguiam uma fórmula parecida, com um cenário de fantasia, classes de personagens e pontos de experiência para subir o nível e aumentar os atributos. Com o tempo, a definição de o que é RPG nos games se expandiu junto com a variedade de jogos do gênero.

Akalabeth: World of Doom foi o primeiro de muitos videogames de RPG de sucesso (Foto: Divulgação/GOG)
Akalabeth: World of Doom foi o primeiro de muitos videogames de RPG de sucesso (Foto: Divulgação/GOG)

Características de um videogame de RPG

Fora do mundo dos games, os RPGs são guiados pela criatividade e podem tomar rumos inesperados dependendo das escolhas dos participantes. Os RPGs como videogames não são muito diferentes. Apesar de videogames serem mais limitados por cenários, personagens e histórias já existentes, a essência é a mesma.

Hoje existe uma infinidade de videogames de RPG para curtir (Foto: Reprodução/Steam)
Hoje existe uma infinidade de videogames de RPG para curtir (Foto: Reprodução/Steam)

Personagens

Para começar, existe um foco na construção dos personagens, tanto os jogáveis quanto os não jogáveis (NPCs). Eles têm histórias e personalidades que ajudam o jogador a entrar na pele do protagonista, como um bom RPG pede. O protagonista pode ser um personagem fixo, com nome e aparência já preestabelecido, quanto customizável com aparência, nome e poderes personalizáveis.

Vale lembrar que os videogames de RPG hoje em dia variam bastante, e nem todos seguem todas as mesmas características. Por exemplo, enquanto um jogo de RPG você pode recrutar outros personagens e lutar com uma equipe, em outros há apenas um personagem jogável.

Em Mass Effect, você vive Comandante Shepard, que pode ter diferentes histórias de vida e ser homem ou mulher, um exemplo de personalização (Fonte: BioWare)
Em Mass Effect, você vive Comandante Shepard, que pode ter diferentes histórias de vida e ser homem ou mulher, um exemplo de personalização (Fonte: BioWare)

Outro elemento clássico dos videogames de RPG são os pontos de vida (chamados de HP) e pontos de magia (MP) usados no manuseio de habilidades e poderes. Em alguns jogos os pontos de magia são substituídos pela estamina, que regula mais ações.

Nos RPGs tradicionais, os personagens possuem fichas complexas com números para cada atributo, como velocidade, ataque, defesa ou furtividade. Alguns videogames de RPG adotaram essa mecânica e permitem o jogador distribuir seus pontos de acordo com uma classe e com o aumento dos níveis.

Uma característica mais popular em jogos de RPG é a árvore de habilidades. Em geral, a cada nível que o personagem ganha no jogo, ele consegue adquirir uma habilidade nova, como um golpe ou magia. Essas habilidades muitas vezes estão relacionadas. Um poder mais forte pode requerer que desbloqueie outro antes ou então ficar bloqueada até atingir um certo nível.

Já em alguns jogos não há pontos de magia, fichas ou árvores de habilidades, mas não deixam de ser um jogo de RPG por ter outros elementos que fazem parte de o que é RPG hoje em dia. Essas diferenças não tornam o jogo pior ou menos RPG e sim trazem uma variedade de jogos sem perder a alma de o que é RPG.

Final Fantasy VII Remake tem alguns dos personagens mais marcantes dos RPGs (Foto: Divulgação/Square Enix)
Final Fantasy VII Remake tem alguns dos personagens mais marcantes dos RPGs (Foto: Divulgação/Square Enix)

Ambientação

Até o ambiente dos jogos de RPG pode variar. Se antes a maioria se passava em mundos fantasiosos, hoje existem RPGs em futuros tecnológicos, realidades alternativas, em datas histórias reais e mais.

Em termos de cenário, o que importa para RPGs é a liberdade para explorar. Em vez de níveis fechados ou um caminho certo para andar, o jogador tem uma área para se aventurar e objetivos para alcançar e avançar na história.

Em RPGs, é comum que derrotar inimigos deem materiais, equipamentos ou moedas para melhorar o personagem, além dos pontos de experiência. Por isso é comum o jogador revisitar uma área em busca de mais recursos ou até de um tesouro perdido.

Nem mesmo a história é tão direta. Com frequência, os RPGs incluem missões secundárias, as sidequests, para os jogadores. São atividades que vão desde derrotar monstros a pedido de um NPC até mesmo resolver discussões entre dois personagens.

Assim, jogos de RPG costumam ser longos, com horas e mais horas de gameplay. Ao mesmo tempo, eles não obrigam o jogador conseguir todos os itens ou fazer todas as missões secundárias. Alguém que esteja focado apenas na história pode fazer apenas a missão principal e ainda conseguir derrotar o chefão final e aproveitar o jogo.

Assassin’s Creed é um RPG ambientado em épocas reais da história (Foto: Divulgação/Ubisoft)
Assassin’s Creed é um RPG ambientado em épocas reais da história (Foto: Divulgação/Ubisoft)

Jogos de RPG famosos ao longo dos anos

Qual seria a melhor maneira de entender o que é RPG se não jogando por conta própria? Não é incomum que bons jogos de RPG ganhem tantos adoradores a ponto de virarem franquias de sucesso para as desenvolvedoras. Alguns dos primeiros títulos do gênero ajudaram a moldar os RPGs de hoje e ficaram na memória de muitos, como Chrono Trigger, Secret of Mana e Dragon Quest.

Franquias de RPG que começaram nos anos 90 também têm lugares de destaque e se tornaram tão populares que continuam rendendo novos títulos até hoje. Bons exemplos são The Legend of Zelda, Final Fantasy, The Elder Scrolls, Diablo, Tales of e Pokémon.

Nos anos 2000, a febre dos jogos de RPG não diminuiu o ritmo, e sim se diversificou ainda mais. Foi quando os MMORPGs se estabeleceram. MMO significa Massive Multiplayer Online, ou seja, é um jogo de RPG compartilhado com várias pessoas de todo o mundo e sem uma história fixa.

Nos MMORPGs, Ultima Online foi um marco, enquanto Ragnarök Online e World of Warcraft são dois dos mais populares do gênero. Já na mesma época, entre outros subgêneros de RPG, jogos como Mass Effect, Borderlands, The Witcher, Souls, Dragon Age e Assassin’s Creed ganharam legiões de fãs e franquias bem-sucedidas.

Não é como se o gênero de RPGs fosse feito apenas de séries antigas. Novos jogos de RPG surgem a todo o momento, desde o RPG de ficção científica The Outer Worlds e futurístico Cyberpunk 2077 até o roguelike Hades e o mundo em constante crescimento do Genshin Impact. Além disso, desenvolvedores independentes trouxeram à vida excelentes jogos de RPG, como Undertale e Stardew Valley.

A definição de o que é RPG é mais do que um único gênero, já que toda hora ele se mistura com outros gêneros. É por isso que os games de RPGs conseguem ser tão diferentes, mas sem perder a base como um jogo de interpretação. Se quiser mais sugestões de videogames do gênero, confira a nossa lista com os melhores jogos de RPG em 2021.