Como armazenar alimentos durante a quarentena para que durem mais?

Aprenda a manter os nutrientes dos alimentos por mais tempo durante a quarentena e evite desperdícios.

Redação - ZoomEditor(a)

Publicado e atualizado 7 min. de leitura.

Vivemos um momento delicado mundialmente: cumprir o isolamento social para evitar novos contágios do vírus COVID-19. Sabemos que o coronavírus é transmitido pelo ar através de fluidos e que se mantém vivo em embalagens e outras superfícies durante algumas horas.

Levando em conta a recomendação da Organização Mundial da Saúde e do Ministério da Saúde de evitar lugares públicos e de grandes aglomerações, como os supermercados, elaboramos um tutorial de como armazenar os alimentos comprados durante a quarentena, e como colocar em prática o novo planejamento de compras para evitar as idas ao mercado e o desperdício de alimentos.

É muito importante lembrar que se deve evitar colocar as mãos no rosto (olhos, nariz e boca) enquanto estiver manuseando os produtos, e higienizar os alimentos e desinfetar as embalagens assim que chegarem da rua para depois armazenar.

Como evitar desperdícios durante a quarentena?

Segundo o guia liberado pela Associação Brasileira de Nutrição (ASBRAN), fazer um levantamento de quanta comida se tem em casa e listar o que falta antes de ir às compras é crucial para não gerar desperdícios e minimizar as idas aos mercados. Por isso, listamos algumas dicas:

1. Faça uma lista dos alimentos que tem em casa e outra com os que estão em falta, assim você não esquece nenhum item e evita comprar algo por impulso. Hoje em dia já existem vários apps que ajudam nessa tarefa, como o Listonic [Android e iOS] e o Out of Milk [Android e iOS].

Os aplicativos podem facilitar na hora de preparar a lista de compras. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)

2. Faça compras em horários alternativos, quando os estabelecimentos estiverem mais vazios. Pedir online também é uma opção! Os serviços de entrega já eram uma realidade antes mesmo das recomendações que envolvem a prevenção do coronavírus, depois disso muitos supermercados passaram a oferecer a entrega das compras em casa, seja imediata ou agendada. Vale ligar, pedir pelo aplicativo do mercado ou até mesmo pelo Rappi [Android e iOS] - onde você paga diretamente pelo app, assim você economiza tempo e mantém o distanciamento social.

3. Considere alternativas de baixo custo. Muitas famílias brasileiras ficarão sem renda ou dependerão do auxílio emergencial, portanto considere marcas mais em conta e alimentos de extrema necessidade para sua segurança alimentar e financeira.

4. Evite comprar alimentos industrializados, como batatas fritas, refrigerantes, biscoitos, sorvetes e refeições prontas. São ricos em sódio, gorduras trans e calorias vazias, além de aumentarem a conta da sua compra.

Como estocar alimentos para o fim do mundo (como conhecemos)?

Brincadeiras à parte, muito tem se discutido sobre práticas de consumo que devem ser mudadas para a manutenção do meio ambiente e da nossa saúde como humanidade. Especialistas recomendam que devemos priorizar alimentos que fortaleçam nossa imunidade, como orgânicos e naturais. Mas como estocar alimentos não perecíveis? Como conservar alimentos frescos? Como armazenar corretamente frutas, verduras, carnes e laticínios na geladeira durante a quarentena? Separamos algumas dicas abaixo que podem te ajudar a tirar essas dúvidas.

Grãos, cereais e massas

Para armazenar grãos os potes herméticos são boas opções. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)

Feijão, arroz, lentilha, aveia, milho, macarrão, entre outros alimentos perecíveis, são nutritivos e indicados para consumo durante essa pandemia. Muitos vem em saco ou em latas, portanto, antes de colocar os insumos nos armários ou despensas lave as embalagens com água e sabão, e borrife álcool 70% ou solução clorada.

Para armazenar na geladeira o feijão e outras leguminosas:

Passo 1. Cozinhe sem temperos até obter a consistência desejada.

Passo 2. Em potes herméticos etiquetados com data, separe em porções familiares ou individuais e congele. Não coloque em potes de vidro, pois correm o risco de trincarem devido à baixa temperatura.

Para armazenar grãos e cereais comprados a granel:

Passo 1. Descarte as embalagens ou sacos onde vieram os grãos.

Passo 2. Em potes de vidro etiquetados com a data da compra, despeje o alimento e tampe o pote. Pesquise para saber o prazo de validade de cada grão e cereal e inclua essa informação na etiqueta.

Frutas

Segundo nutricionistas, as frutas frescas mais resistentes são: maçã, laranja, limão (excelente para imunidade), goiaba, melão e abacaxi. Podem ser compradas e consumidas também as frutas secas e congeladas. O ideal é escolher as mais verdes para que sejam consumidas a médio e longo prazo, e as mais maduras para consumo a curto prazo. Os tomates frescos, que também são frutas, podem ser melhor conservados em molhos, e tem durabilidade de até 3 dias na geladeira e 30 dias no congelador.

Caso queira congelar frutas maduras em pedacinhos:

Passo 1. Corte em pedaços pequenos ou médios e esprema suco de limão em todos os pedaços.

Passo 2. Coloque em potes indicados para o congelador ou em sacos próprios para alimentos, tire todo o ar possível e feche.

Congelar as frutas aumenta a durabilidade e contribui para menos desperdícios. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)

Passo 3. Preencha a etiqueta com a data e congele.

Caso queira congelar frutas maduras em polpa:

Passo 1. Bata no liquidificador a fruta em pedaços pequenos com pouca água para manter a polpa.

Passo 2. Coloque em sacos próprios para alimentos, tire todo o ar possível e feche.

Passo 3. Preencha a etiqueta com a data e congele.

Legumes e verduras

Segundo nutricionistas, os legumes frescos mais resistentes são: aipo, brócolis, cebola, batata, batata doce, inhame, cenoura, abóbora. Lembre-se que alho e gengibre são excelentes aliados para nossa imunidade, sempre tenha em estoque.

Passo 1. Retire as verduras e legumes das embalagens dos centros de abastecimento, faça a higienização e armazene em fruteiras. Certos alimentos duram mais quando fechados em embalagens ou sacos plásticos - como cenoura, beterraba, chuchu, pepino, berinjela, jiló e pimentão.

Lave bem as folhas e legumes, retirando as partes visíveis de sujeira. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)

Passo 2. Se forem para a geladeira, no caso de alguns legumes e folhas, faça a técnica do branqueamento antes de armazenar em sacos plásticos (passo a passo abaixo).

O branqueamento é uma técnica de conservação de legumes e folhas. Nada mais é do que colocá-los em água fervente por até um minuto (dependendo da consistência do alimento) e depois mergulhá-los imediatamente na água bem fria, dando um choque térmico, e criando uma película de proteção.

Passo a passo:

1. Lave verduras e legumes em água corrente uma a uma.

2. Corte em pedaços uniformes para depois branquear por igual.

3. Mergulhe os alimentos em uma panela com água fervente (fogo alto e panela tampada). Confira a tabela de tempo de branqueamento de hortaliças da EMBRAPA.

4. Com o auxílio de uma peneira ou escumadeira, recolha os alimentos da fervura, colocando-os em outro recipiente rapidamente, com água e gelo, para interromper o cozimento.

5. Acondicione legumes ou verduras em potes herméticos ou em sacos plásticos próprios para alimentos, preenchendo até a borda.

6. Etiquetar os recipientes com a data e congelar.

Algumas marcas e modelos de geladeiras pode fazer a diferença na hora do armazenamento de alimentos orgânicos e frescos. A Geladeira Electrolux DM84X, por exemplo, possui gaveta de frutas e legumes com sistema Hortinatura que, segundo a fabricante, é capaz de conservar esses alimentos até 60% a mais de tempo.

Laticínios

No caso dos laticínios, aumente a atenção no prazo de validade. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)

Queijos, manteiga, requeijão, margarina, entre outros laticínios, podem durar até 15 dias na geladeira (depois de higienizados, claro). Atenção na validade das embalagens de leite fresco. Caixas ou latas em pó têm maior durabilidade e são mais indicadas nesse momento de quarentena.

Para o armazenamento de ovos frescos é necessário colocá-los em potes com tampa e boa vedação no refrigerador. Em relação aos queijos, tenha em mente que quanto mais curado, maior a durabilidade. Os queijos minas-padrão devem ser lavados em água corrente antes do consumo, e armazenados em potes herméticos ou sacos plásticos no refrigerador por até 5 dias.

Carne

Carnes bovinas, de aves e peixes duram mais quando congelados. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)

As carnes são alimentos perecíveis e devemos prestar muita atenção durante o armazenamento, pois são suscetíveis a proliferação de bactérias e outros micro-organismos caso sejam mal manuseadas ou estocadas.

Para carnes bovinas e aves:

Passo 1. Após o descarte da embalagem que veio do mercado ou açougue, coloque a peça inteira ou em pedaços grandes em sacos ou potes herméticos, selados, com etiquetas. É importante manter as gorduras e cartilagens nas peças para atuarem como capas protetoras. Portanto, não limpe as carnes (de aves e bois) antes de armazená-las, apenas na hora do consumo.

Para peixes:

Passo 1. Caso estejam limpos, deve-se lavar e eliminar as vísceras e escamas. Depois de limpo, coloque os filés em sacos com etiquetas e selar. Se já estiverem em embalagens seladas e limpos, higienize a parte externa antes de armazenar a compra.

Passo 2. Quanto menor a temperatura, mais tempo as carnes duram mantendo sua qualidade. Portanto, o ideal é armazená-las no congelador, ou freezer, e realizar o descongelamento na geladeira de um dia pro outro. Lembre-se que as carnes só duram entre 2 a 3 dias no refrigerador, descongeladas. Procure consumir em até 2 meses as carnes do congelador e evite congelar novamente uma carne que já foi descongelada.

Leia também: