Saiba como a impressora 3D pode salvar a vida de animais silvestres

Como um tucano e uma tartaruga ganharam uma nova chance com a impressora 3D.

Saiba como a impressora 3D pode salvar a vida de animais silvestres
Ricardo BergherEditor(a)

Publicado e atualizado 3 min. de leitura.

Se você acompanha notícias sobre tecnologia, provavelmente já viu as inovações de uma impressora 3D. Aqui mesmo no Zoom a gente já mostrou o quanto uma impressora 3D pode, inclusive, beneficiar a sociedade. Foi assim quando a gente divulgou uma notícia sobre uma impressora para gestantes com deficiência visual: a impressora reproduzia o bebê dessas gestantes durante um exame de ultrassom, e as mães podiam tocar e imaginar como eram os seus filhos.

Agora, a gente vai contar para você outras vantagens da impressora 3D, desta vez no mundo animal. Venha conferir como esse modelo de impressora está ajudando a salvar a vida de animais silvestres.

Impressora 3D salva a vida de um tucano na Costa Rica

Lá na Costa Rica, um tucano foi brutalmente atacado por um grupo de adolescentes. O animal perdeu a parte de cima do seu bico e, bastante machucado, não conseguia se alimentar.

Impressora 3D para tucano

O tucano foi socorrido pela ZooAve, um centro de resgate de animais da Costa Rica. Nesse centro de resgate, veio a boa notícia: o tucano tinha possibilidade de sobreviver. Com a grande ajuda de uma impressora 3D, uma prótese vai ser criada e o tucano vai ganhar um novo bico.

Vale lembrar que, lá nos Estados Unidos, um pinguim e uma águia também já ganharam próteses produzidas por uma impressora 3D. Isso comprova o quanto a tecnologia realmente pode dar uma nova chance a esses animais, mesmo sendo um grande desafio.

Para você ter uma ideia, para o caso do tucano da Costa Rica, ao todo foram quatro empresas que se reuniram para desenvolver uma prótese para o bico do animal. E tudo ainda é muito novo. Com a impressora 3D, isso já é um grande avanço, claro, mas ainda há um grande caminho a percorrer.

As próteses criadas salvaram o animal, mas elas ainda não são tão resistentes para que o tucano retorne a seu habitat natural. Com isso, o animal deve viver em cativeiro. A "vantagem" de o tucano continuar no centro de resgate é que especialistas vão poder acompanhar o cotidiano do animal com o seu novo bico. Assim a gente espera que, no futuro, novas próteses sejam ainda mais resistentes.

Tartaruga também sobrevive, com a ajuda da impressora 3D

E depois de falar sobre o tucano na Costa Rica, vamos agora para a Turquia. Naquele país, uma tartaruga marinha se chocou com a hélice de um barco e perdeu parte da sua mandíbula. Foi aí que a impressora 3D também entrou em ação, e criou uma prótese, feita em liga de titânio, para reconstruir parte da mandíbula do animal.

Impressora 3D para tartaruga

Assim que aconteceu o acidente, os veterinários do centro de reabilitação cuidaram da tartaruga, alimentando o animal sempre que necessário. No entanto, eles perceberam que a tartaruga só iria sobreviver no habitat natural dela caso tivesse uma nova mandíbula.

Foi aí que técnicos da empresa turca Btech Innovation estudaram as tomografias da cabeça do animal, e criaram uma prótese especialmente para a sua mandíbula. Depois de ganhar a prótese, a tartaruga marinha continua sendo acompanhada pelos médicos veterinários. O objetivo é que o animal volte ao mar, claro, mas isso só será possível caso a tartaruga realmente consiga ter uma vida normal com a sua nova mandíbula.

Está aí a tecnologia, atuando para que animais voltem a viver em contato com a natureza, e em liberdade.