Livros de Filosofia: conheça 10 das melhores obras já publicadas

Uma lista para quem aprecia as mais diversas correntes de pensamento.

Livros de Filosofia: conheça 10 das melhores obras já publicadas
Luiza RamalhoEditor(a)

Publicado e atualizado 5 min. de leitura.

Filosofia significa literalmente “amor pela sabedoria”. Ela nos dispõe ferramentas para refletirmos sobre o nosso papel na sociedade e o mundo em que vivemos. Dela, não esperamos respostas e, sim, mais perguntas.

Desse conhecimento tão envolvente, separamos dez obras imprescindíveis para conhecer melhor os autores que moldaram o pensamento filosófico ao longo dos tempos.

Para conhecer o pensamento de Friedrich Nietzsche, com Além do Bem e do Mal

Nietzsche considerava Além do Bem e do Mal seu livro mais importante e mais abrangente. Isso porque ele reúne aqui a maioria dos temas que desenvolveu em seu pensamento filosófico: perspectivismo, crítica à moralidade, religião, entre tantos outros.

É um livro curto, mas muito denso, em que o autor é capaz de desenvolver grandes questões da humanidade com precisão, humor e beleza. Motivos pelos quais grandes correntes do pensamento no século XX, como o existencialismo e a psicanálise, reconhecem em Nietzsche suas bases fundadoras.

Confira nossa lista com os melhores livros de Friedrich Nietzsche clicando aqui!

Título originalJenseits Von Gut Und Bose
AutorFriedrich Nietzsche
TraduçãoPaulo César de Souza
CapaJeff Fisher
EditoraCompanhia das Letras
Número de páginas248
Primeira publicação1886

Para entender das bases da análise racional de Immanuel Kant, com Crítica da Razão Pura

Neste livro, considerado o mais importante de sua autoria, Kant reflete sobre os limites do conhecimento do ser humano sobre o mundo. Ele coloca em discussão a nossa capacidade de apreensão para agir como árbitros das especulações “metafísicas” e conhecimentos racionais.

Um livro difícil, cheio de armadilhas discursivas, o que requer do leitor atenção redobrada. Mas, a partir de sua leitura, novas possibilidades de enxergar o mundo são abertas, sendo possível entender as razões pelas quais Kant é considerado um dos mais importantes filósofos de todos os tempos.

Título originalKritik Der Reinen Vernunft
AutorImmanuel Kant
EditoraVozes
Número de páginas624
Primeira publicação1781

Para entender o existencialismo com o Ser e o Nada, de Jean-Paul Sartre

Escrito em 1943, em plena Segunda Guerra Mundial, é um livro fundamental para compreender o existencialismo, uma das mais importantes correntes filosóficas do século XX. Segundo Sartre, esse pensamento parte do princípio de que a liberdade humana é a essência de todas as coisas e o homem seria capaz de inventar a si mesmo a partir de suas escolhas.

Daí vem uma de suas frases mais famosa: “A existência precede a essência”. A leitura de Sartre é muito inquietante e desestabilizante, pois o autor coloca em xeque as nossas crenças e valores morais.

Título originalL’être Et Le Néant: Essai D'Ontologie Phénoménologique
AutorJean-Paul Sartre
TraduçãoPaulo Perdigão
EditoraVozes
Número de páginas784
Primeira publicação1943

Para refletir sobre individualidade e trabalho em A Condição Humana, de Hannah Arendt

Neste livro, Hannah Arendt reflete sobre a modernidade no que se refere às relações da sociedade com o trabalho. Para a filósofa, a sociedade moderna passou a considerar a excelência humana associada ao campo do trabalho. Mas, à medida que os homens ganham excelência na atividade de trabalho, perdem em capacidade de discurso e de ação, o que coloca, segundo Arendt, o problema da despolitização dos sujeitos.

Uma obra densa e que oferece reflexões importantes sobre as maneiras que nos inserimos na sociedade através de nossas atividades laborais.

Confira nossa lista com os melhores livros escritos pela filósofa Hannah Arendt clicando aqui!

Título originalThe Human Condition
AutoraHannah Arendt
TraduçãoRoberto Raposo
EditoraForense Universitária
Número de páginas474
Primeira publicação1958

Para entender o idealismo de Platão em A República

A República de Platão é importante para compreender o conceito de idealização pelo qual o filósofo grego é sempre lembrado. Na obra, ele faz uma definição do homem justo a partir do estudo de uma cidade justa. É um lugar harmonioso, governado por um filósofo-rei, sujeito que ao mesmo tempo que exerce autoridade, serve ao bem comum, nunca agindo em causa própria.

Mesmo que essa visão utópica de mundo se pareça cada vez mais distantes da nossa sociedade contemporânea, a obra de Platão é antológica ao discutir as virtudes humanas, sobretudo a justiça.

Título originalΠολιτεία (POLITEIA)
AutorPlatão
TraduçãoJ. Guinsburg
EditoraPerspectiva
Número de páginas418
Primeira publicação381 a.C.

Para refletir sobre o conservadorismo em A Política

Discípulo de Platão, Aristóteles fundamenta neste livro muitos aspectos do pensamento conservador, como a moralidade, os papéis sociais de gênero e classe social.

Através dessas opiniões, o filósofo coloca em evidência seu método indutivo, revelando impressões dos sentidos, tradições e o senso comum. Dessa obra, ressoam os entendimentos básicos sobre a moral humana, o exercício político e o papel do indivíduo na coletividade.

Título originalΠολιτικά (POLITIKA)
AutorAristóteles
TraduçãoMaria Aparecida de Oliveira Silva
EditoraEdipro
Número de páginas352

Para entender o absurdo com O Mito de Sísifo, de Albert Camus

A partir da Odisseia de Homero, Albert Camus propõe uma reflexão sobre o absurdo. No mito, Sísifo foi condenado pelos deuses a empurrar incessantemente uma pedra até o alto da montanha, de onde ela tornava a cair, caracterizando seu trabalho como inútil e sem esperança.

A partir disso, Camus faz um retrato do mundo em que vivemos e do dilema enfrentado pelo homem contemporâneo, após o triunfo da violência e da injustiça. Um dos livros mais importantes da filosofia existencialista, é uma leitura densa, mas que nos desperta uma reflexão sobre os motivos que encontramos para nos fazermos existir.

Título originalLe Mythe De Sisyphe
AutorAlbert Camus
TraduçãoAri Roitman e Paulina Watch
EditoraRecord
Número de páginas160
Primeira publicação1942

Para refletir sobre propósito com Por Que Fazemos o Que Fazemos?

Em Por Que Fazemos o Que Fazemos?, de Mario Sergio Cortella reflete sobre questões relacionadas ao trabalho. Ou, como ele explica, “aflições vitais sobre trabalho, carreira e realização”.

De forma bem simples, ele discute a ideia de propósito que norteia nossa atuação no cotidiano, além da noção de que o trabalho nos define.

Confira nossa lista com os melhores livros escritos por Mario Sergio Cortella clicando aqui!

Título originalPor Que Fazemos o Que Fazemos?
AutorMario Sergio Cortella
EditoraPlaneta
Número de páginas176
Primeira publicação2016

Para entender os fundamentos do pensamento feminista com O Segundo Sexo

O Segundo Sexo, de Simone de Beauvoir é considerado o maior tratado feminista de todos os tempos, além de ser apreciado como um livro essencialmente existencialista, já que defende que a igualdade entre gêneros é a expressão máxima da liberdade humana.

Dividido em dois volumes, é uma obra longa, justamente por se propor discutir a condição da mulher em diversos aspectos. Mas, ao final da obra, os leitores entenderão porque o pensamento de Beauvoir segue vivo entre várias gerações de mulheres.

Confira nossa lista com os melhores livros escritos por Simone de Beauvouir clicando aqui!

Título originalLe Deuxiène Sexe
AutoraSimone de Beauvoir
TraduçãoSergio Millet
EditoraNova Fronteira
Número de páginas904
Primeira publicação1949

Para entender as relações entre indivíduo e política, com O Circuito dos Afetos

O livro de Vladimir Safatle, professor de filosofia da USP, parte da articulação entre psicanálise, filosofia e teoria social. O autor propõe uma análise sobre o conceito moderno de indivíduo enquanto, sobretudo, um sistema de afetos.

Ao compreender que a sociedade não vive só de leis e regras, mas também por essa rede de afetos, ele indaga o sentido da política no mundo contemporâneo, suscitando uma importante reflexão sobre a polarização que vivemos hoje. Um livro belíssimo e imprescindível para tratar das questões do sujeito na contemporaneidade.

Título originalO Circuito dos Afetos -Corpos Políticos, Desamparo e o Fim do Indivíduo
AutorVladimir Safatle
EditoraAutêntica
Número de páginas360
Primeira publicação2015

Leia também: