Livros de Sociologia: conheça 10 das melhores obras já publicadas

Os livros de sociologia são ótimas escolhas para explorar e aprender sobre a composição da sociedade.

Livros de Sociologia: conheça 10 das melhores obras já publicadas
Luiza RamalhoEditor(a)

Publicado e atualizado 5 min. de leitura.

A Sociologia é uma área extremamente importante para as ciências humanas: é ela que estuda nosso comportamento em sociedade.

É, basicamente, uma ciência que nos permite entender porquê as coisas são como são.

Sabendo da relevância do tema, selecionamos os 10 melhores livros de Sociologia já publicados. Vem conferir com a gente!

O Povo Brasileiro é leitura obrigatória para compreender a nossa sociedade

Uma das obras mais renomadas quando pensamos em sociologia no Brasil. O livro de Darcy Ribeiro é fruto de um longo trabalho de mais de trinta anos de escrita e reescrita em que o autor traz estudos fundamentais sobre pontos nodais da gênese da nossa sociedade.

Com bastante propriedade e usando uma linguagem clara, o antropólogo expõe as agonias e os êxitos da formação brasileira, tratando desde a luta dos indígenas às agruras sofridas pelos povos africanos e os dramas vivenciados durante a constituição da democracia. Para todos aqueles que desejam entender a fundo quem é de fato o povo brasileiro, a leitura é indispensável.

Título originalO Povo Brasileiro - A Formação e o Sentido do Brasil
AutorDarcy Ribeiro
EditoraGlobal Editora
Número de páginas368
Primeira publicação1995

Casa-Grande e Senzala traz um novo olhar sobre a miscigenação

Escrito por Gilberto Freyre, polímata brasileiro, o livro foca na formação da nossa sociedade a partir da miscigenação entre os povos que habitavam o Brasil Colônia, trazendo a influência tanto da casa-grande quanto das próprias senzalas.

O autor desmistifica a determinação racial, enfatizando os fatores culturais e ambientais enquanto destaca elementos positivos da mistura entre culturas. Em sua análise, associa a arquitetura da casa-grande ao modo patriarcal de organização política e social do país. Não é por menos que a obra é constantemente citada como um dos clássicos da sociologia no Brasil.

Título originalCasa-Grande e Senzala
AutorGilberto Freyre
EditoraGlobal Editora
Número de páginas768
Primeira publicação1933

Amor Líquido trata sobre as relações humanas na contemporaneidade

Na modernidade líquida do mundo em que vivemos, não surpreende que o amor também seja líquido. Em um contexto em que tudo pode mudar em questão de segundos, os laços humanos tornam-se cada vez mais frágeis.

É o que propôs Zygmunt Bauman, que foi um importante filósofo e sociólogo polonês, ao investigar a flexibilidade das nossas relações e de que maneira ela gera níveis de insegurança maiores.

Para Bauman, nossas relações amorosas e vínculos familiares são diretamente afetados pela priorização dos relacionamentos em rede, o que também prejudica nossa capacidade de tratar estranhos com humanidade.

Título originalLiquid Love: On the Frailty of Human Bonds
AutorZygmunt Bauman
EditoraZahar
Número de páginas192
Primeira publicação2003

Mulheres, Raça e Classe apresenta o conceito de interseccionalidade

Negra, ativista e professora norte-americana, Angela Davis desconstrói as opressões sociais em sua obra. Logo no início, trata da desumanização da mulher negra como decorrência da escravidão, mostrando que não é possível pensar em um projeto de nação ignorando a questão racial.

A autora aponta que precisamos evitar a hierarquização das opressões, de maneira a considerar a intersecção de raça, classe e gênero para alcançar um novo modelo de sociedade.

Inconformista, Davis traz um potencial revolucionário, tornando-se leitura indispensável para todos aqueles que almejam reais transformações sociais.

Título originalWomen, Race & Class
AutoraAngela Davis
Prefácio

Djamila Ribeiro

Tradução

Heci Regina Candiani

EditoraBoitempo
Número de páginas248
Primeira publicação1981

Se você gostou dessa dica, pode gostar desse artigo:Djamila Ribeiro: conheça os livros de uma das maiores feministas negras da atualidade

Da Divisão do Trabalho Social: um dos clássicos da sociologia

Um livro clássico da sociologia, foi escrito por ninguém menos que Émile Durkheim, um dos fundadores da sociologia moderna. Na obra, propõe-se a determinar o desenvolvimento da divisão do trabalho nas sociedades contemporâneas.

O autor não trata da divisão que tem por objetivo um aumento da produtividade, mas de um ponto de vista econômico e um modo de organização geral da sociedade em que as funções são cada vez mais especializadas.

Durkheim não apenas acredita que tal fenômeno social tem causas sociais e, por esse motivo, procura compreender as mesmas.

Título originalDe la Division du Travail Social
AutorÉmile Durkheim
EditoraMartins Fontes
Número de páginas536
Primeira publicação1893

Em A Ética Protestante e o "Espírito" do Capitalismo, Weber aponta relações nem sempre levadas em consideração

O ensaio de Max Weber foi originalmente publicado nos anos de 1904 e 1905, tendo sido ampliado e revisto pelo próprio autor em uma nova versão lançada em 1920. O intelectual discorre sobre a ética puritana e a cultura capitalista moderna.

Por meio de observações estatísticas, Weber constatou que, quando comparados, os protestantes da época costumavam ser mais bem-sucedidos nos negócios do que os católicos.

Não surpreende que a obra seja constantemente citada como um dos melhores livros de sociologia já publicados.

Título originalDie protestantische Ethik und der 'Geist' des Kapitalismus
AutorMax Weber
TraduçãoJosé Marcos Mariani de Macedo
EditoraCompanhia das Letras
Número de páginas336
Primeira publicação1905

Brasil: Uma Biografia é uma obra essencial, escrita por duas mulheres

Lilia Moritz Schwarcz e Heloisa Murgel Starling traçam um retrato completo do país a partir de documentação inédita e pesquisa rigorosa, com texto acessível e acompanhado por uma rica iconografia.

As duas autoras vão muito além da história tradicionalmente conhecida e discutem o cotidiano, a expressão artística, a cultura, as minorias, os ciclos econômicos e conflitos sociais.

Não deixam, entretanto, de dialogar com os autores que já discorreram sobre sociologia no Brasil no passado, ao mesmo tempo em que propõem uma nova história do país.

Título originalBrasil: Uma Biografia
AutorasLilia Moritz Schwarcz e Heloisa Murgel Starling
EditoraCompanhia das Letras
Número de páginas792
Primeira publicação2015

As Etapas do Pensamento Sociológico propõe um ponto de vista liberal

Raymond Aron foi um filósofo e sociólogo francês com inspirações liberais, tornando-se influente colunista do Le Figaro e do L’Express. Hoje, sua obra é considerada um dos melhores livros de sociologia já produzidos.

A publicação é constituída por sete estudos sobre teóricos de renome, como os fundadores da sociologia, Montesquieu, Comte, Marx e Tocqueville, além da geração do século XX, Durkheim, Pareto e Weber. Como explica o autor, as origens da sociologia são investigadas por meio da elaboração de uma galeria de retratos intelectuais.

Título originalLes Étapes de la Pensée Sociologique
AutorRaymond Aron
EditoraMartins Fontes
Número de páginas920
Primeira publicação1967

As Origens do Totalitarismo trata do extremismo político

Considerada a história definitiva dos movimentos totalitários, a obra de Hannah Arendt aborda o crescimento do antissemitismo nos anos 1800, passando por uma análise do imperialismo colonial europeu até a deflagração da Primeira Guerra Mundial.

Na última seção, as instituições e operações são discutidas com base nos regimes da Alemanha nazista e da Rússia stalinista. Como fatores essenciais para a manutenção de tais regimes, a autora destaca a transformação de classes em massas, o uso do terror e o papel da propaganda.

Para Celso Lafer, autor brasileiro e ex-aluno de Arendt, o livro é ponto de referência indispensável para uma reflexão político-filosófica no mundo contemporâneo.

Título originalElemente und Ursprünge totaler Herrschaft
AutoraHannah Arendt
TraduçãoRoberto Raposo
EditoraCompanhia de Bolso
Número de páginas832
Primeira publicação

O Capital: a principal obra de Karl Marx

Karl Marx foi um sociólogo, filósofo e historiador socialista extremamente conhecido nos dias de hoje por ter publicado o Manifesto Comunista em conjunto com Friedrich Engels, empresário industrial e teórico revolucionário.

Sua principal obra foi publicada pela primeira vez em 1867 e ainda hoje é considerada a mais profunda investigação crítica do modo de produção capitalista. Ao criticar a economia política, Marx buscava entender o funcionamento do capitalismo.

Para realmente compreender a lógica do capital, a complexidade do capitalismo e a relação direta entre a acumulação de capital e a exploração da força de trabalho, desenvolveu um aparato conceitual e metodológico que para muitos é ainda mais complexo. É, sem dúvidas, um dos melhores livros de sociologia já escritos.

Título originalDas Kapital
AutorKarl Marx
EditoraBoitempo
Número de páginas894
Primeira publicação1867

Leia também: