TV usada: vale a pena? Saiba o que considerar na hora da compra

Descubra quais os riscos de adquirir uma TV usada e conheça alternativas baratas e mais seguras

Maria Paula BrunoEstagiária

Publicado e atualizado 5 min. de leitura.

Compartilhe:

Optar por uma TV usada é uma maneira aparentemente simples de economizar, porém, sem a devida atenção na hora da compra, o barato pode sair caro. Parece clichê, mas com a tecnologia cada vez mais avançada, em 2 ou 3 anos os recursos da televisão podem já estar defasados. Além disso, nem todos os anúncios são exatamente aquilo que aparentam, então é preciso estar ainda mais atento.

Dito isso, reunimos todos os detalhes que valem ser analisados com cuidado quando o assunto é uma TV usada, desde o ano de fabricação do aparelho até sua compatibilidade com aplicativos e serviços de streaming. Dá uma olhada!

Primeiro, o que é uma smart TV?

Antes de iniciar a análise, é preciso que o termo smart TV esteja claro, pois será bastante comentado adiante. As famosas smart TVs são aquelas que acessam à internet, permitindo o download de aplicativos e serviços de streaming, como Netflix e Prime Video, por exemplo.

As smart TVs têm acesso à internet e aos serviços de streaming, como à Netflix, por exemplo. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)
As smart TVs têm acesso à internet e aos serviços de streaming, como à Netflix, por exemplo. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)

Elas vêm equipadas com um sistema operacional, responsável pela interface e navegação no aparelho. Ou seja, é o sistema operacional que fornece o menu, os ícones e atalhos da televisão para que você possa utilizá-la de maneira simples e intuitiva. Atualmente, no mercado, a maioria dos modelos vendidos é smart, mas, como falamos de TVs usadas, essa característica não é uma regra.

Para exemplificar, explicamos nessa matéria como funciona o sistema operacional das TVs LG.

Comprar uma TV usada é realmente mais barato?

O preço costuma ser a principal justificativa ao optar por uma TV usada, pois, só de ser retirada da caixa, a televisão já cai de valor. Mas será que, na prática, a economia compensa? Bom, realizando uma pesquisa rápida, encontramos anúncios entre R$ 700 e R$ 2,000 para TVs smart usadas de 32 a 43 polegadas.

Passando, agora, para os aparelhos novos, achamos ofertas da LG LM625BPSB de 32 polegadas por R$1,340 e da TCL S6500, também de 32 polegadas, por R$ 1,250, ambas super modernas. A partir dessa comparação, vale pensar no que é mais importante para você: uma tela maior ou uma menor, mas mais moderna e recém saída de fábrica?

Se você busca uma televisão espaçosa, as TVs usadas realmente podem ter preços mais atrativos. Agora, se a tecnologia avançada é um ponto fundamental e, para isso, você abre mão de uma tela grande, vale juntar um dinheirinho extra e comprar uma nova - até por conta da garantia, que evita estresses futuros.

As TVs usadas podem estar defasadas

A Alexa é a assistente virtual da Amazon, um dos serviços oferecidos por TVs com inteligência artificial. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)
A Alexa é a assistente virtual da Amazon, um dos serviços oferecidos por TVs com inteligência artificial. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)

Ao procurar por TVs usadas, é comum encontrar modelos mais antigos, já fabricados há muitos anos. Parece óbvio, uma vez que não são recém saídas de fábrica, mas isso significa que até aparelhos de 2 anos atrás podem já estar defasados.

Com o passar dos anos, muitas peças deixam de ser fabricadas pelas marcas e até a disposição das entradas muda. Um bom exemplo disso é a entrada HDMI 2.0, necessária para instalação do Playstation 5, que não é encontrada em telas mais antigas.

Outra possibilidade, nesse sentido, é a falta de inteligência artificial. Como essa tecnologia é bastante recente, TVs smart usadas fabricadas 2 ou 3 anos atrás, provavelmente, já não são inteligentes. Isto é, não sugerem conteúdos personalizados, não são compatíveis com as assistentes virtuais e, portanto, não oferecem o comando por voz, entre outros detalhes.

Adquirir um produto que, de cara, já sai com essas desvantagens, pode ser um problema futuramente.

O sistema operacional das TVs usadas pode prejudicar a experiência com apps

Sistemas operacionais antigos podem não ser compatíveis com aplicativos recentes. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)
Sistemas operacionais antigos podem não ser compatíveis com aplicativos recentes. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)

Outra ponto importante quando consideramos a compra de TVs usadas é o sistema operacional, que, se ultrapassado, tem como consequência a baixa compatibilidade com aplicativos. Nas TVs Samsung, por exemplo, o sistema mais moderno é o Tizen, portanto, se a televisão vier equipada com ele, é um sinal de que terá compatibilidade com os apps mais populares, como Netflix, Prime Video e Globoplay, por exemplo.

Já nas TVs LG, o sistema é o webOS 3.0, disponível nos modelos fabricados até 2016. Ou seja, aparelhos anteriores a este ano já trazem um sistema defasado, que não terá acesso a todos os aplicativos. Um bom exemplo é o Disney Plus, serviço de streaming da Disney, que não pode ser baixado em TVs anteriores à data.

Dito isso, as TVs usadas têm outra desvantagem: dificilmente vão contar com o sistema mais moderno, o que prejudica a experiência com a tela e torna a navegação mais lenta.

É difícil saber, com precisão, quais danos uma TV usada já sofreu

É muito difícil saber todas as avarias de uma TV usada, principalmente considerando os pequenos acidentes do dia a dia. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)
É muito difícil saber todas as avarias de uma TV usada, principalmente considerando os pequenos acidentes do dia a dia. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)

Por último, se alguém está se desfazendo de uma televisão, provavelmente tem motivos. Mesmo que o vendedor seja 100% honesto e diga que a tela conta apenas com pequenos arranhões, dificilmente esse será o diagnótico verdadeiro, visto que acidentes acontecem no dia a dia e, por vezes, passam despercebidos. A TV pode já ter tido contato com respingos de chuva, sofrido esbarrões e outros danos que, mesmo que pareçam leves, podem ter consequências futuras.

Outra possibilidade é comprar uma TV usada com pequenos defeitos e levá-la ao conserto. Porém, somando o valor da televisão ao dos reparos, é provável que as economias se aproximem do preço de um aparelho novo, de primeira mão. Nesse caso, é preferível inteirar um pouco e obter um produto com garantia, assistência técnica e livre de uso.

Afinal, comprar uma TV usada vale a pena?

Com tudo que pontuamos, a conclusão é que optar por uma TV usada tem bastantes riscos, principalmente pela dificuldade em saber o real estado do aparelho. Além disso, com a tecnologia cada vez mais avançada, comprar um modelo antigo, mesmo que com poucos anos de diferença, pode significar a falta de peças no futuro ou uma experiência prejudicada pela ausência de aplicativos para download.

Abaixo, separamos algumas alternativas que podem ser interessantes se o intuito é economizar.

Alternativas mais seguras

Opte por um Chromecast ou TV box

Se a intenção ao comprar uma TV usada é economizar, adquirir um Chormecast ou uma TV box pode ser uma alternativa mais segura e mais barata. Os dispositivos transformam TVs mais antigas em smart, oferecendo um novo sistema operacional, acesso à internet, entre outras funções.

Eles custam entre R$ 200 e R$ 400 e trazem as tecnologias mais avançadas do segmento. Dito isso, podem sair mais baratos que uma tela de segunda mão e ter mais vantagens - principalmente se a TV usada for mais antiga. Ah, com as vantagens, ainda, de virem lacrados e com garantia.

Se interessou? Veja nossa lista de TVs box e Chromecast para comprar em 2021

Conheça algumas TVs baratas para comprar em 2021

Outra solução é conferir a nossa lista das melhores TVs baratas para comprar em 2021. Entre elas, estão a TCL S6500 e a LG LM625BPSB, mencionadas anteriormente, e outros modelos com preço mais em conta. Uma dica interessante é buscar TVs com telas menores, pois são mais baratas e, dependendo do tamanho do cômodo, dão conta do recado.