Celular com a tela ligada com os dizeres "Pix" e fundo verde

Pix: o que é e como funciona o meio de pagamento eletrônico

O Pix é um recurso de pagamentos eletrônicos. Aprenda mais sobre ele e veja smartphones com bom custo-benefício para rodar o app de qualquer banco

Redação - Zoom

Publicado e atualizado 9 min. de leitura.

Compartilhe:

O que é Pix? Criado pelo Banco Central, o Pix veio para ser uma opção às transferências bancárias DOC e TED, mas também serve para fazer e receber pagamentos, de forma fácil, rápida e muito prática. Apenas com seu celular, você realiza estas transações em até 10 segundos, 24 horas por dia, 7 dias por semana, entre contas de bancos diferentes, e o melhor: sem taxa para pessoas físicas e MEI.

Para experimentar o Pix, você provavelmente vai precisar baixar o aplicativo do seu banco no smartphone. Caso esteja em busca de um novo celular para aproveitar o sistema de pagamentos, vamos te indicar, no fim deste artigo, alguns produtos com bom custo-benefício.

Nesse artigo, vamos esclarecer os pontos abaixo. Caso queira ir diretamente para um deles, basta clicar no link correspondente.

  • O que é Pix
  • Como funciona o Pix
  • O que é a chave Pix?
  • Como fazer um Pix?
  • Principais perguntas sobre o uso do Pix

O que é Pix?

O Pix é um sistema de pagamentos instantâneo. Ele foi criado pelo Banco Central para aumentar a rapidez e a segurança das transferências bancárias. Com ele, você pode realizar transferência entre contas e realizar pagamentos 24 horas por dia, em todos os dias do ano, inclusive finais de semana e feriados.

Celular com os dizeres "Pix" na tela, ao lado de moedas de um real e em cima de boletos bancários
Com o Pix você pode além de transferir dinheiro, pagar contas (Foto: Shutterstock)

A transação leva apenas 10 segundos e é feita pelo seu smartphone. E, para pessoa física e MEI, não é cobrada nenhuma taxa para pagar e nem para receber.

Diferenças entre o Pix e as tranferências DOC e TED

Além da possibilidade de fazer transferências a qualquer hora do dia ou da noite, o Pix se diferencia do DOC e da TED por outros motivos.

  • Sem taxa de transferência: As operações feitas por Pix não têm taxa para pessoa física e MEI. Já uma TED pode ter uma taxa de até 20 reais, por exemplo, especialmente se a transação for entre contas de bancos diferentes.
  • Maior rapidez e disponibilidade: as tranferências por DOC e TED têm limitação de dias e horários para serem feitas e a conclusão da operação pode levar dias. Com o Pix, você pode transferir dinheiro a qualquer momento e a operação completa leva cerca de 10 segundos.
  • Sem decorar ou anotar números de conta e dados pessoais: com o Pix, você só precisa saber a chave Pix da pessoa, que pode ser um telefone, CPF, e-mail ou ainda um código aleatório.
  • Não precisa ter conta bancária para usar: se você tiver conta em qualquer plataforma de pagamento (como o Mercado Pago, Pic Pay, Pay Pal) você já pode fazer transações por Pix.

Diferenças entre o Pix e outros meios de pagamento

A principal diferença é que, com o Pix, não há necessidade de meios físicos para fazer pagamentos: sem boletos, cartões ou dinheiro vivo - só o seu celular. Você pode fazer pagamentos em estabelecimentos comerciais, assim como pagar contas e impostos, em tempo real e evitando intermediários, o que deixa o processo mais rápido e prático.

Quando surgiu o Pix e por que ele foi criado?

O Pix foi lançado oficialmente no dia 5 de outubro de 2020 e começou a funcionar em um período de teste, apenas para um grupo pequeno de clientes, entre os dias 3 e 15 de novembro do mesmo ano. Em 16 de novembro de 2020, começou a funcionar plenamente e ficou disponível para o uso de todos os brasileiros.

Dois celulares, um em cada canto da imagem, com uma seta feita de moedas de um real ligando um ao outro
O Pix foi criado para você fazer pagamentos de forma fácil e rápida (Foto: Shutterstock)

O Banco Central, segundo texto em sua página oficial, criou o Pix para:

  • aumentar a velocidade das transações e a competitividade entre as empresas que as promovem;
  • baixar o custo das operações;
  • aumentar o nível de segurança das transações;
  • incentivar a eletronização do mercado de pagamentos de varejo;
  • promover a inclusão financeira de pessoas que não tem conta em banco; já que não é preciso ter conta bancária para usar esse sistema de pagamentos.

Pix é seguro?

Sim. As informações são protegidas pelo sigilo bancário, assim como as transferências via TED e DOC, e pela Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). As transações também são criptografadas.

Como funciona o Pix?

Na prática, o Pix aparece como uma opção de transação nos aplicativos dos bancos e das plataformas de pagamento. Cada banco ou plataforma tem aplicativos específicos e formas de instalá-los nos aparelhos. Por isso, vale a pena se informar diretamente com a instituição da qual é cliente.

Mão segurando celular com os dizeres "Pix", com um notebook e uma calculadora ao fundo
Para transferir dinheiro com o Pix é muito fácil, é direto pela tela do seu celular (Foto: Shutterstock)

Após baixar e instalar o aplicativo do seu banco ou da sua plataforma de pagamento, é recomendável cadastrar as suas chaves para começar a usar o Pix, isso torna as transações mais práticas.

Para que outras pessoas façam pagamentos ou transfiram valores para você, é só passar a sua chave para essa pessoa. Já para você fazer a transferência, deve pedir a chave Pix da pessoa que receberá o dinheiro e fazer a transação pelo aplicativo do seu banco ou pelo Internet Banking.

Mas o que é a chave Pix?

A chave é um código que te identifica como usuário. Por meio da chave, o mecanismo identifica que aquele valor da transação vai sair ou entrar na sua conta. "Mas esse código pode ser qualquer coisa?". Não! Há algumas possibilidades definidas de chave Pix:

  • Seu CPF ou CNPJ
  • E-mail
  • Número de telefone celular
  • Chave aleatória gerada pelo Banco Central e transmitida pelo aplicativo

Perguntas frequentes sobre a chave Pix

Confira abaixo as principais dúvidas e suas respostas sobre chave Pix.

Devo escolher uma opção de chave para cadastrar?

A recomendação é que você cadastre o máximo de chaves possível. Por que? Porque o cadastro das chaves previne fraudes. Se seu CPF, seu e-mail e seu número de celular já estiverem cadastrados junto à instituição bancária no seu nome, isso será verificado se alguém tentar usar seus dados no Pix. Não é possível usar os mesmos dados para duas contas.

Atenção! Se você adicionar seu CPF ou outro dado como chave do Pix em uma conta, não poderá adicioná-lo também em outra. Será necessário fazer a portabilidade de chaves para mudar o vínculo para outra instituição.

Pessoas físicas podem registrar até cinco chaves Pix por cada conta em que são titulares; pessoas jurídicas, até 20 chaves, também por conta. Não existe um limite total de chaves que cada pessoa pode cadastrar.

Como cadastrar a chave Pix?

Resposta: confira o passo a passo abaixo

  • Passo 1: Acesse o aplicativo do seu banco no seu celular ou o Internet Banking.
  • Passo 2: Clique na aba “Pix” e selecionar “Minhas chaves” (ou uma mensagem similar, que muda de acordo com o banco).
  • Passo 3: Em seguida, clique em “Cadastrar chave Pix”
  • Passo 4: Selecione o tipo de chave que quer criar (Celular e CPF, Celular, CPF, E-mail ou Chave aleatória).
  • Passo 5: Depois de clicar em “Cadastrar”, é só esperar o banco te enviar um e-mail confirmando a criação da sua chave.

Tenho conta em mais de um banco ou plataforma de pagamento. Posso ter Pix em todas elas?

R.: Sim, basta cadastrar um tipo de chave diferente em cada instituição. Por exemplo: em um banco cadastre o CPF, e no outro, o seu celular. Como falamos no tópico anterior, não é possível usar o mesmo dado como chave em mais de uma conta.

Preciso cadastrar uma chave Pix para usar o recurso?

R.: Para receber dinheiro pelo Pix, você não precisa cadastrar chaves. O pagador pode fazer a transferência para você usando seus dados bancários.

E se meu e-mail ou número de celular cadastrados como chaves mudarem?

Basta cadastrar as novas chaves e excluir os dados antigos.

O que é e como funciona a chave aleatória?

R.: Chaves aleatórias ou EVP (Endereço Virtual de Pagamento) são um conjunto de números, letras e símbolos que identificará a conta recebedora. Elas são geradas pelo Banco Central e transmitidas pelo aplicativo do seu banco ou plataforma de pagamento. Ao invés de informar ao pagador um endereço de e-mail, telefone ou CPF, você pode passar essa chave para receber transferências.

E se alguém já estiver usando meus dados como chave quando eu for fazer o cadastro?

R.: É possível reivindicar a chave no aplicativo da instituição que em que deseja cadastrá-la, desde que seja comprovada a titularidade daquele endereço de e-mail, número de telefone ou documento.

Como fazer um Pix?

Mesa com notebook, celular (com os dizeres "Pix"), óculos, bloco de notas e lápis
Saiba como fazer um Pix (Foto: Shutterstock)

Para transferir dinheiro ou fazer pagamentos pelo Pix, siga esse passo a passo:

  • Passo 1: Peça uma chave Pix à pessoa que receberá o pagamento.
  • Passo 2: Acesse o aplicativo do seu banco ou o Internet Banking e clique na aba “Pix”.
  • Passo 3: Se for a sua primeira vez usando o Pix ou transferindo dinheiro para aquele beneficiário, selecione "pagar para um novo contato".
  • Passo 4: Selecione o tipo de chave que o beneficiário te passou (CPF, e-mail, telefone ou chave aleatória).
  • Passo 5: Digite a chave e clique em "continuar".
  • Passo 6: Insira o valor a ser transferido e prossiga com a operação.
  • Passo 7: O aplicativo oferece a opção de salvar os dados do beneficiário. Se você faz operações para aquela conta com alguma frequência, vale a pena salvar o contato, isso torna o processo mais prático. Na próxima, é só selecionar o contato já registrado. A lista de contatos salvos aparecerá após abrir a aba do Pix, como uma lista telefônica.
  • Passo 8: Ao final do processo, você pode salvar o comprovante da transação e enviá-lo para quem quiser. O Pix também envia uma notificação para o celular da pessoa que recebeu o dinheiro, avisando que a transferência foi feita.

Para receber uma transferência ou pagamento pelo Pix, é só passar uma das suas chaves para a pessoa que deve transferir o dinheiro. Você receberá uma notificação no celular quando a operação for concluída, e também pode pedir que a pessoa te envie o comprovante da transação.

Conheça outros meios de usar o Pix (QR Code e NFC)

Agora que você sabe o que é Pix e como funciona o Pix, saiba que existem ainda outras formas de fazer operações usando o recurso. Você pode fazer por meio de um QR Code e também via NFC (pagamento por aproximação).

Mão segurando celular com tela do QR Code aberta
Você pode fazer um pagamento por Pix via QR Code (Foto: Shutterstock)

Pelo QR Code, há duas versões: uma estática, que pode ser usada em múltiplas transações e pode inserir um valor pré-definido ou não. Normalmente, há um QR exposto para que o pagador escaneie com a câmera do celular. Esta versão deve ser mais usada por pessoas físicas e pequenos comerciantes. A outra versão é a dinâmica, em que o código muda a cada transação e pode trazer dados de identificação da loja ou do pagador, e é mais indicada para estabelecimentos comerciais.

Já o NFC ainda não está disponível, mas será implantado no futuro pelo Banco Central. Com esse recurso, o pagamento será feito por meio de tecnologias que trocam informações quando dispositivos ficam próximos. Essa tecnologia já é usada em cartões de crédito e débito, que efetuam pagamentos quando são aproximados à maquininha, sem necessidade de digitar a senha.

Principais perguntas sobre o uso do Pix

Veja abaixo as principais dúvidas sobre o Pix e suas respostas.

E se eu enviar um Pix para a pessoa errada?

Resposta: O pagador deverá conferir os dados (valor e destinatário) antes de confirmar a operação. Depois que a transação for efetivada, não poderá ser estornada ou cancelada. A solução é negociar com o recebedor e pedir a devolução.

Posso cancelar um Pix?

R.: Após a confirmação, não há como cancelar ou solicitar estorno do valor. O jeito é negociar para que o recebedor devolva o dinheiro.

O DOC e a TED vão acabar?

R.: Por enquanto, não, mas com o Pix, TED e DOC se tornam cada vez mais obsoletos. Tanto pela demora e limitações na operação como pela usabilidade, que demanda que o recebedor preencha várias informações.

Por que eu deveria usar o Pix?

R.: O Pix facilita o pagamento para quem recebe ou paga, por ser um meio de pagamento instantâneo, prático, gratuito e obrigatório em todas instituições financeiras com mais de 500 mil clientes.

O Pix facilita golpes?

R.: A segurança bancária das transações é garantida, no entanto, já há relatos de pessoas que foram abordadas na rua e obrigadas a transferir dinheiro pelo Pix. Em casos como esse, a pessoa deve registrar um boletim de ocorrência, para que os dados da transação possam ser rastreados.

Uma forma de prevenir situações desagradáveis como essa seria ter um celular com bom custo-benefício, para instalar o aplicativo e realizar transações, e deixá-lo em casa ou no seu estabelecimento.

Celulares para usar apps de bancos e outros

Aplicativos de bancos geralmente não pesam muito e nem necessitam de muita memória RAM para rodar sem travamentos. Se você tiver a necessidade de trocar seu smartphone e quiser usar vários apps ao mesmo tempo, mas sem investir alto para isso, dê uma olha na nossa lista de melhor celular custo-benefício. Além disso, algumas das ofertas abaixo podem te agradar!

Veja algumas ofertas de celulares com bom custo-benefício abaixo: