Como escolher um processador de alimentos? [Guia de Compras]

Está em dúvida entre Multiprocessador, Mini Processador ou Processador de Alimentos com Liquidificador? Dê um Zoom!

Redação - ZoomEditor(a)

Publicado e atualizado 7 min. de leitura.

Para quem cozinha frequentemente e precisa picar e triturar comidas, nada melhor que um processador de alimentos para otimizar o tempo. Mas como escolher um bom processador de alimentos? Pensando nisso, montamos um Guia de Compras completo para auxiliar na escolha do modelo ideal, de acordo com as necessidades de cada chef.

Apesar da marca ser um fator importante na hora da compra, assim como a confiança que se tem nela, é necessário que se atente para outros aspectos. Nosso Guia vai explicar sobre os diferentes tipos de processadores de alimentos, as capacidades, potências, velocidades, consumos, funções, recursos, acessórios e designs disponíveis no mercado.

Leia mais: Qual o melhor processador de alimentos para comprar?

Um processador de alimentos é capaz de triturar, picar e misturar diferentes tipos de alimentos. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)
Um processador de alimentos é capaz de triturar, picar e misturar diferentes tipos de alimentos. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)

Vale lembrar que, antes de qualquer passo rumo à compra, é necessário se atentar para:

  • A voltagem disponível na própria cozinha
  • As dimensões do processador
  • As necessidades do dia a dia
  • O orçamento disponível

Com tudo isso na ponta do lápis, é só dar um Zoom no nosso Guia de Compras de processadores de alimentos abaixo!

Tipos

Multiprocessador

O processador Walita RI7632 é um exemplo de multiprocessador. (Imagens: Divulgação/Philips Walita)
O processador Walita RI7632 é um exemplo de multiprocessador. (Imagens: Divulgação/Philips Walita)

O multiprocessador é ideal para quem prepara pratos diversos e com muitos ingredientes, e gosta de tudo fresco, como um cafezinho de grãos moídos na hora. Como o nome indica, esse tipo de processador de alimentos tem multifunções e acompanha acessórios para cada tipo de textura, densidade e preparo. Nele é possível cortar, misturar, picar, ralar, moer, granular, espremer, liquidificar, pulsar, bater e fatiar.

Esse modelo é o mais completo e por isso mais caro, além de demandar um espaço seguro para armazenar os diferentes acessórios. Lembrando que devem ficar fora do alcance de crianças, já que as lâminas são afiadas e podem causar acidentes graves.

Mini Processador

O processador Oster Chrome é um exemplo de mini processador. (Imagem: Divulgação/Oster)
O processador Oster Chrome é um exemplo de mini processador. (Imagem: Divulgação/Oster)

O mini processador é indicado para quem necessita do básico na cozinha e procura um aparelho portátil que não ocupe muito espaço. Por ser mini, sua capacidade é reduzida e por isso as porções serão menores, para até 4 pessoas dependendo da receita. Ele é ideal para picar e triturar diversos tipos alimentos, desde alho e cebola a amendoim e pão torrado. Também é muito usado para o preparo de molhos e patês.

Alguns modelos acompanham acessórios para ralar e fatiar, mas a maioria dos modelos se restringem às funções de triturar e picar, o que não é vantajoso para quem gosta de preparar grandes receitas com alimentos diversos. O processador de alimentos mini é pequeno e fácil de transportar para outros lugares, e tem um preço bem acessível.

Processador de Alimentos com Liquidificador

O processador de alimentos Philco All in One Citrus é um modelo com liquidificador e espremedor. (Imagem: Divulgação/Philco)
O processador de alimentos Philco All in One Citrus é um modelo com liquidificador e espremedor. (Imagem: Divulgação/Philco)

Como o próprio nome diz, o processador de alimentos com liquidificador acompanha um copo de liquidificador que encaixa na base do processador e obedece às velocidades do modelo. Lembre-se que todo processado de alimentos com liquidificador acompanha esse acessório e outros, mas nem todo multiprocessador acompanha um copo de liquidificador.

A vantagem é ter dois eletrodomésticos práticos por um preço mais em conta, que apenas um liquidificador ou um processador.

Atenção! Além desses três tipos, também existe o processador manual, que pode funcionar com diferentes movimentos, dispensando o uso de energia elétrica. A capacidade, em geral, também é menor do que os outros tipos mencionados acima.

Capacidade

Antes de escolher o processador é importante procurar saber sobre limitações em relação a alimentos sólidos e líquidos. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)
Antes de escolher o processador é importante procurar saber sobre limitações em relação a alimentos sólidos e líquidos. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)

As capacidades disponíveis variam entre o mini processador de no mínimo 310ml, e o multiprocessador de no máximo 1,5 litros. Uma dica bacana é escolher as jarras com escalas em litros e xícaras, para auxiliar na hora do preparo da receita. E atenção para não sobrecarregar o processador ultrapassando o limite indicado para líquidos e sólidos, caso contrário ele poderá ter danos irreversíveis.

Cada modelo de processador tem uma capacidade indicada de acordo com o tipo de uso e quantidade de pessoas:

  • Multiprocessador: uso frequente, para famílias grandes de até 6 pessoas.
  • Processador com liquidificador: uso regular, para famílias médias a grandes.
  • Mini processador: uso esporádico, para até 2 pessoas.

Desempenho

Para quem não sabe, existem os processadores manuais e à bateria. No entanto, vamos manter o foco no tipo mais vendido, que é o processador de alimentos elétrico, e a parte elétrica que envolve a potência do motor, a velocidade e o consumo.

Potência

A potência do motor vai ditar o quão rápido e eficiente o processador de alimentos irá executar as funções. Ela está diretamente ligada a capacidade dos modelos, e pode variar entre o processador de alimentos pequeno de 50 Watts, e o processador de alimentos de 1000W ou mais. O multiprocessador de alimentos Masterpiece Collection Electrolux FMP50, por exemplo, tem um motor Turbo Boost com 1200W de potência, um dos mais potentes da categoria e o mais caro, que garante um processamento eficiente e silencioso.

A potência e o número de velocidades influenciam no desempenho de cada processador de alimentos. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)
A potência e o número de velocidades influenciam no desempenho de cada processador de alimentos. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)

Velocidade

É importante se atentar também para o número de velocidades de cada modelo. Os mais simples têm 1 velocidade e modo Pulsar, já os mais elaborados contam com até 2 velocidades mais o modo Pulsar.

Consumo

Já o consumo de um processador de alimentos não costuma ser alto. Tudo vai depender da marca e do selo de eficiência energética. Procure sempre a classificação A de selo PROCEL, garantindo maior economia na conta de luz. E atenção para a tensão/voltagem do aparelho, pois os únicos processadores bivolt são os industriais. O processador de alimentos 220V ou 127V são os domésticos, abordados neste Guia.

Funções e Recursos

Picar os alimentos é uma função básica de todos os processadores de alimentos. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)
Picar os alimentos é uma função básica de todos os processadores de alimentos. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)

Os diferenciais nos processadores de alimentos se referem à quantidade de funções e recursos que eles são capazes de executar. Por exemplo, todos têm as funções básicas de triturar e picar alimentos duros e moles, mas nem todos conseguem ralar, fatiar ou espremer.

Alguns recursos e tecnologias que facilitam o dia a dia podem fazer a diferença na hora da escolha do modelo ideal e no preço do processador de alimentos. Por isso, vamos destacar alguns:

  • Bater: ideal para massas de bolo, recheios e vitaminas;
  • Emulsificar: transforma as claras em neve, poupando o trabalho braçal;
  • Misturar: ideal para massas, molhos para salada ou macarrão, entre outras receitas;
  • Moer: é capaz de deixar grãos duros moídos, e até carnes;
  • Liquidificar: transforma sólidos em líquidos, tornando a matéria densa sem bolhas de ar;
  • Pulsar: ideal para dar a mistura final da receita, garantindo que nada tenha ficado no fundo da jarra;
  • PowerT – Electrolux: a tecnologia desenvolvida pela marca reduz a formação de bolhas de ar, melhora a circulação dos alimentos e mistura tudo com mais cuidado. É bastante similar à função de um liquidificador.

Acessórios

A lâmina possibilita cortar diferentes tipos de alimentos. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)
A lâmina possibilita cortar diferentes tipos de alimentos. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)

Em alguns casos, os processadores contam com acessórios que possibilitam e disponibilizam mais recursos. Separamos os mais comuns.

  • Tubo para adicionar ingredientes: Feito para incluir ingredientes com segurança enquanto o processador estiver funcionando;
  • Processador para grãos: moedor de grãos, como café, castanhas, amêndoas, etc;
  • Lâmina para corte: corta cebola, alho, tomate, e até carne;
  • Batedor para massas: amassa e mistura massas de pizza, macarrão, tortas ou pão;
  • Disco emulsificador: faz clara em neve;
  • Disco fatiador e ralador: tem dois lados, um para cada função, e pode variar entre grosso ou fino;
  • Disco para granular: ideal para granular chocolate, ralar queijo e batatas;
  • Espremedor de frutas: ideal para sucos naturais, como laranja e limão;
  • Liquidificador: a maioria vem com uma jarra para liquidificar e até triturar gelo.

Design

Os processadores possuem diferentes visuais, sendo possível combinar o eletroportátil com o restante da cozinha. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)
Os processadores possuem diferentes visuais, sendo possível combinar o eletroportátil com o restante da cozinha. (Imagem: Reprodução/Shutterstock)

O design e os tipos de acabamento de processadores de alimentos incluem modelos coloridos, brancos, pretos e inox. Os modelos coloridos são divertidos e chamam a atenção na hora de compor sua cozinha com outros eletrodomésticos. Os modelos pretos são básicos e combinam com qualquer ambiente. Já os modelos nas cores branca ou clara costumam amarelar conforme o tempo de uso, necessitando de mais atenção no armazenamento e limpeza. E por fim os processadores de alimentos inox, que apresentam maior durabilidade e não oxidam com o tempo, sendo a melhor opção para quem irá usar com mais frequência o aparelho.

Dúvidas frequentes

1. O que pode ser feito em um processador de alimentos?

O processador de alimentos é capaz de triturar, misturar, cortar, fatiar, ralar, processar, espremer, emulsificar, pulsar e moer alimentos duros, macios ou líquidos. Todas essas funções vão variar de acordo com os acessórios e lâminas disponíveis nos diversos modelos encontrados no mercado.

2. Qual a diferença do processador para o multiprocessador?

O processado de alimentos é capaz de triturar, cortar e picar alimentos. Alguns acompanham o copo do liquidificador para agregar outras funções. Já o multiprocessador consegue executar múltiplas funções a partir dos diferentes acessórios, como espremer, ralar, fatiar, emulsificar, liquidificar e moer.

3. Qual é a diferença entre processador e liquidificador?

O liquidificador tem a função de liquidificar, misturar, triturar e, principalmente, deixar os alimentos mais densos, já que ele tira o ar dos alimentos. Já o processador não só mistura, mas também corta, fatia, rala, mistura, processa. Ele também é mais resistente à dureza de vários alimentos, como castanhas e legumes crus.

Muitos multiprocessadores também tem a função do liquidificador, como o PowerT da Electrolux, ou acompanham o copo do eletrodoméstico junto ao kit de lâminas e utensílios. Portanto, se é necessário usar os dois eletrodomésticos, compensa investir num kit completo de processador ou multiprocessador com liquidificador.

Leia também: