Autocuidado, beleza e consumo consciente: como Juliana Goes vê a transformação do mercado

Juliana Goes bate um papo com o Buscapé sobre como o mercado da beleza tem caminhado em direção ao consumo consciente

Letícia LamarcaRedatora

Publicado e atualizado 5 min. de leitura.

Compartilhe:

O autocuidado está nos detalhes. Em dedicar momentos para olhar com mais gentileza para nós mesmas. Em abrir espaços para atender às necessidades pessoais dos nossos corpos (e mentes). Afinal, o nosso “mundo” externo é um reflexo do nosso “mundo” interno. Tudo o que fazemos por – e para – nós mesmas é um ato de autocuidado que impacta na nossa saúde, bem-estar e qualidade de vida.

A palavra não é atual. No entanto, a lógica é sustentada cada vez mais em nosso dia a dia – seja nas horas de skincare, nas idas ao salão ou nas compras com fins quase que “terapêuticos”. Daí as transformações oriundas do mercado de beleza; mercado este que precisa acompanhar os hábitos de uma sociedade que busca por maquiagens, cosméticos e dermocosméticos mais naturais, ecológicos e que agreguem valor.

Juliana Goes bate um papo sobre autocuidado, beleza natural e consumo consciente (Imagem: Reprodução/Shutterstock)
Juliana Goes bate um papo sobre autocuidado, beleza natural e consumo consciente (Imagem: Reprodução/Shutterstock)

Em um bate-papo com a jornalista, empresária e influenciadora digital Juliana Goes (@jujulianagoes), nós percorremos sobre a evolução do mercado de beleza, os hábitos das consumidoras de hoje e a demanda por produtos, acessórios e experiências multifuncionais, que buscam ir além da estética.

“Sempre que posso ter um momento comigo, eu valido muito isso, e dou muito valor, porque é o meu reencontro com a Juliana pessoa, né? Além de esposa, além de mãe… É o resgate da minha individualidade, de coisas que importam para mim”. (Juliana Goes)

Uma transformação no mercado de beleza

O mercado de beleza vem passando por transformações nos últimos anos (Imagem: Reprodução/Shutterstock)
O mercado de beleza vem passando por transformações nos últimos anos (Imagem: Reprodução/Shutterstock)

De acordo com o provedor de pesquisas de mercado Euromonitor International, o Brasil é o 4º maior mercado de beleza e cuidados pessoais do mundo. A ascensão da indústria da beleza no Brasil é acompanhada por uma transformação nos hábitos do consumidor. Com mais de 850 mil seguidores no Instagram, Juliana já enxerga esse movimento em seu público:

“As pessoas estão mudando, elas estão buscando por algo ‘a mais’. O que eu percebo é que elas estão tratando o bem-estar como uma prioridade, talvez como mais importante do que a estética. A beleza deixa de ser um ato mais automático para ser um ato de autocuidado”.

Em um mundo pós-pandêmico, a estética sai de cena para dar lugar ao bem-estar. Hoje, o consumidor não quer mais um cosmético de efeito passageiro, mas com benefícios a longo prazo. Segundo Juliana, “as pessoas estão em busca do que possa agregar valor à saúde da pele, dos cabelos, do corpo e da mente, a um momento de autocuidado”.

“Eu acredito muito que as pessoas estejam querendo entender melhor o posicionamento das marcas, as verdades e as frentes que as marcas têm. Não é mais sobre um consumo superficial, de comprar porque achou a embalagem bonita. Hoje em dia, existe uma preocupação maior com aquilo que se consome”, explica.

Leia também: Skincare: o que é e como fazer? Saiba como cuidar da pele com os produtos ideais

Beleza natural, sustentável e personalizada

Para além do bem-estar, a sustentabilidade é outra preocupação do consumidor de hoje. Conforme a Euromonitor International, a tendência é que os atributos naturais, os posicionamentos éticos e o engajamento digital orientem o mercado de beleza.

Isso porque os consumidores vêm repensando a rotina, os hábitos e o consumo nos últimos dois anos, o que gera esse apelo consciente por produtos de origem limpa e cruelty-free (livres de crueldade animal).

Juliana acredita que a procura por um estilo de vida saudável, natural e sustentável possibilitou uma transformação no mercado de beleza: “Existe uma expansão de produtos naturais no mercado, que atendam melhor às necessidades do consumidor e possam fazer do autocuidado algo mais significativo, que tenha realmente um significado, um valor”.

“Nos últimos dois anos, as pessoas vêm se reinventando também. De certa forma, todo mundo precisou repensar tudo aquilo que fazia sentido. As pessoas estão despertando para a saúde, seja ela física, mental ou emocional. Os hábitos estão mudando, e as marcas estão se conectando totalmente com isso”, comenta.

Veja mais: Rotina de skincare: 10 dicas para começar a sua

A procura por cosméticos (e maquiagens) multifuncionais

Cada vez mais, o consumidor busca por produtos multifuncionais (Imagem: Reprodução/Shutterstock)
Cada vez mais, o consumidor busca por produtos multifuncionais (Imagem: Reprodução/Shutterstock)

Bem-estar, saúde e autocuidado estão movimentando o mercado de beleza – não só na parte dos cosméticos e dermocosméticos, mas também nas maquiagens. Neste sentido, é possível perceber uma movimentação das marcas em fabricar produtos que, além da função original, ainda tratam a pele. Para Juliana, o combo de “maquiagem com propósito” é o que o futuro promete:

“É importante criar produtos que trabalhem em parceria com as próprias defesas naturais da pele, com mais derivados de origem natural e menos componentes tóxicos ou controversos. De uma forma ou de outra, isso tem sido mais abordado, as pessoas estão tomando conhecimento. Quem nunca leu um rótulo de embalagem está começando a entender que precisa, sim, que é necessário entender aquilo que está se colocando na pele”.

Só no último mês, o Google revela que a pesquisa pelo termo “skincare” ultrapassou a marca de 300 mil buscas. Hoje, a aparência está relacionada a sentir-se bem, segura e confiante dentro de sua própria pele. Por isso, há quem esteja investindo mais nos dermocosméticos do que na maquiagem – ou na maquiagem que traz um quê de skincare, como mencionamos. É o caso da própria Juliana, que acredita no caminho de uma beleza natural, de “esconder menos e aceitar mais a pele”:

“O cuidado com a pele começou a ter muito mais importância nos meus rituais, pensando, é claro, no envelhecimento saudável. Não é mais aquela busca pela juventude eterna, que é extremamente tóxica. Hoje, a gente tem discussões importantes a respeito do etarismo, do incentivo àquela juventude da pele lisa, impecável... Isso não existe. Eu acredito no caminho do envelhecimento saudável, da beleza natural, pensada a longo prazo”, afirma.

Explore aqui alguns produtinhos que fazem bem para a pele (e não se esqueça de consultar um dermatologista, viu?):

No final, tudo acaba em autocuidado

Juliana Goes fala sobre sua rotina de autocuidado (Imagem: Reprodução/Instagram)
Juliana Goes fala sobre sua rotina de autocuidado (Imagem: Reprodução/Instagram)

O mercado de beleza está indo além – caminhando para o universo do autocuidado. O autocuidado é sobre cuidar da pele, dos cabelos e, consequentemente, de si mesma. Mas, não só. Para Juliana, cuidar de si mesma também é “ser gentil consigo e se tirar da zona de conforto”. No ponto de vista da influenciadora digital, uma rotina de autocuidado ultrapassa os rituais de beleza:

“Sempre que posso ter um momento comigo, eu valido muito isso, e dou muito valor, porque é o meu reencontro com a Juliana pessoa, né? Além de esposa, além de mãe… É o resgate da minha individualidade, de coisas que importam para mim”.

Por fim, ela descreve o que gosta de fazer no dia a dia para se sentir mais “Juliana”:

“A minha rotina de autocuidado vai muito além da beleza. Eu acho que é conversar comigo, na minha voz interior, com carinho. É praticar yoga, meditação, corrida… E todos os dias, quando eu acordo, lavo o meu rosto, olho para mim e falo: ‘Obrigada por mais um dia’, coloco um pouco de gratidão. Nos momentos mais desafiadores, eu valido a minha dor. É usar as minhas ferramentas a meu favor”.

Gostou do conteúdo? Aproveite para conferir todos os nossos artigos sobre o universo de beleza e bem-estar!